ESPONDILÓLISE

A espondilólise é uma lesão de origem indeterminada definida como um defeito, ou falha mecânica, com descontinuidade óssea do segmento intervertebral. Acredita-se ser causada por fratura por estresse na pars interarticularis. A progressão do defeito pode resultar em espondilolistese, que é a subluxação de duas vértebras adjacentes.

A incidência de espondilólise está relacionada com idade, herança genética, gênero, raça e nível de atividade, manifestando-se frequentemente durante a fase de crescimento. Dos 8 aos 20 anos, é responsável pela maioria das lombalgias em jovens esportistas e raramente ocorre em adultos. O risco declina na meia idade e aumenta ligeiramente entre os 60 a 80 anos.

O paciente pode apresentar postura hiperlordótica, e a dor lombar pode ser reproduzida pelas forças repetitivas de flexão, extensão e rotação da coluna, manobra facilmente reprodutível em esportes como ginástica olímpica, mergulho, levantamento de peso, voleibol, futebol americano e remo.

O DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é feito com radiografias da coluna lombar nas incidências de frente e perfil em ortostatismo; porém, nos estágios iniciais, pode não ser visível nos planos radiográficos. O tratamento da espondilólise e da espondilolistese permanece um desafio para ortopedistas, neurocirurgiões e pediatras.

O TRATAMENTO

O tratamento não cirúrgico é a escolha inicial na maioria dos casos, além de ser a principal forma de tratamento das dores lombares. Tanto o tratamento conservador por fisioterapia convencional como terapias manuais apresentaram efeitos benéficos na redução da lombalgia e na melhora funcional do paciente. Têm o objetivo de reduzir a dor, restaurar a amplitude de movimento e a função, além de fortalecer e estabilizar os músculos da coluna vertebral.

A espondilólise é bem tolerada pelos pacientes, que, submetidos ao tratamento conservador, têm alto índice de melhora. Mas, em alguns casos, a gravidade dos sintomas e a não resposta aos tratamentos clínicos convencionais têm promovido a indicação de tratamento cirúrgico, que ocorre em torno de 30% dos casos. Entre as mais consagradas, está a realização de artrodese.

É importante sempre consultar um especialista em coluna para diagnóstico e tratamento dessa patologia.

Dr. Alexandre Moulin, Médico Ortopedista com especialização em Cirurgia Coluna, Tratamento da Dor e Medicina Regenerativa, membro do corpo clínico dos hospitais: AACD, Hospital Sírio Libanês, Hospital São Luiz, Hospital Leforte, Cristóvão da Gama, BR Surgery. É Membro Titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Membro Titular da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC). Membro da Sociedade Brasileira de Ozonioterapia Médica (SOBOM). Membro da North America Spine Society (NASS).

Agende sua consulta agora mesmo !

Rua das Esmeraldas, 176, 2º Andar
Bairro Jardim
Santo André/SP

Este site segue os princípios da resolução do CFM 1974/2011 e do código de conduta Web de medicina e saúde. A informação é oferecida com propósito de educação e informação, não necessariamente são técnicas praticadas na Clínica. Não substitui opinião médica em atendimento formal. Se você tem qualquer problema de saúde, contate seu médico ou profissional de saúde. O objetivo do ato médico, como em toda a prática médica, constitui-se da obrigação de meio e não de fim ou resultado. Todas as informações e textos são produzidos por médicos da Clínica. Fotos são meramente ilustrativas. Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento”

Open chat
Como podemos te ajudar?